Comitê de enfrentamento à Covid ouve sugestões de segmentos da sociedade

0
153

MANHUAÇU (MG)

O Comitê Municipal de Enfrentamento a Covid-19 se reuniu na manhã desta segunda-feira (25/01) no auditório da Secretaria Municipal de Saúde para passar informações sobre as ações realizadas pela Prefeitura e deliberar sobre ajustes no decreto nº 43, publicado na última quarta-feira (20). Por enquanto, não há novo decreto e nem mudanças nas regras editadas na semana passada.


O Secretário de Fazenda, Elias Mansur, informou aos participantes que a prefeitura realizou diversas ações de fiscalização desde a última quinta-feira (21), dia em que o decreto entrou em vigor. Segundo o Secretário houve 51 notificações a comércios que não estavam cumprindo o decreto e que já houve ações nos distritos de Vila Nova, Ponte do Silva e também na Vila Formosa, além da cidade.

PUBLICIDADE

A Coordenadora da Vigilância em Saúde, Maria Cristina Caldeira Duarte, trouxe o panorama atual da pandemia no município além de informar aos presentes sobre a vacinação contra a Covid-19. A Secretária de Saúde, Ana Lígia de Assis Garcia, complementou as informações dadas pela coordenadora sobre os critérios de vacinação, informando que neste momento a orientação do Ministério da Saúde é vacinar apenas os profissionais que estão na linha de frente no combate a Covid-19.

Ajustes

Representantes de escolas particulares de ensino infantil e fundamental, donos de bares e restaurantes e dos clubes de recreação estiveram presentes na reunião pedindo ajustes no decreto para que os setores possam funcionar.

O representante das escolas, Guilherme Ligieri de Almeida, elogiou a postura da atual administração em estar aberta ao diálogo e pontuou as dificuldades em se manter um ensino remoto para as crianças da educação infantil e fundamental. Guilherme apresentou um protocolo de volta segura das aulas, o que segundo a Secretária de Saúde Ana Lígia, será avaliado pela equipe técnica da secretaria. O presidente da Câmara Municipal, Cleber Benfica, pontuou que caso seja permitido o retorno das aulas nas escolas particulares, se também seja visto essa possibilidade de retorno nas escolas pública do município, principalmente as creches.

O comitê também ouviu o representante dos bares e restaurantes, Ronald Filgueiras, que pontuou sobre a questão do horário de funcionamento do setor, que foi limitado em função do decreto. Segundo Ronald, a categoria foi prejudicada por outros que não cumprem com as orientações e que por isso eles pedem ajuste no decreto, como por exemplo, a extensão do horário de atendimento para até às 23 horas. O setor também apresentou um protocolo de funcionamento e será avaliado pela equipe da técnica da Secretaria de Saúde.

O outro setor que foi ouvido foi o dos clubes recreativos. O representante da UBA, Rodrigo Pereira, apresentou um protocolo que será adotado pelo clube, caso seja liberado o seu funcionamento. A Secretária de Saúde, Ana Lígia, pediu para que se faça um consenso entre os clubes existentes no município sobre um protocolo e apresente a secretaria para análise.

Após as falas dos representantes, a responsável técnica da Unidade de Apoio Respiratório (UAR), a médica Márcia Giovane Rodrigues da Silva, destacou que as pautas dos setores são importantes, mas que as decisões que irão ser tomadas a partir delas, podem impactar nos atendimentos da unidade e do hospital.

A Secretaria de Saúde prometeu avaliar os protocolos apresentados e comunicar aos representantes as decisões o mais rápido possível. Por enquanto, não há novo decreto e nem mudanças nas regras editadas na semana passada.

(Reprodução: site Portal Caparaó – www.portalcaparao.com.br

Nota da Redação:
As políticas públicas, principalmente as de enfrentamento ao COVID-19, são feitas ouvindo as pessoas, sobretudo aqueles envolvidos diretamente nos processos. O poder público deve caminhar lado a lado com a sociedade.


(Foto reprodução / Portal Caparaó)