Estudantes do IFMG de Ponte Nova desenvolveram tornozeleira sensorial para auxiliar deficientes visuais

0
370

Estudantes de Ponte Nova desenvolveram tornozeleira sensorial para auxiliar deficientes visuais a se locomover e se destacaram na maior competição brasileira de empreendedorismo tecnológico para alunos do ensino médio

Com o desenvolvimento de uma tornozeleira sensorial, destinada a auxiliar deficientes visuais em sua locomoção, quatro estudantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) receberam o prêmio de projeto mais relevante do estado de Minas Gerais. O reconhecimento ocorreu dentro do Startup in School, um programa de iniciação em empreendedorismo tecnológico destinado a alunos do ensino médio, promovido pelo Google Brasil. Em 2019, a iniciativa teve, pela primeira vez, uma edição online, possibilitando que 700 equipes participassem em todo o país.


Trabalhando em grupo, os alunos do IFMG participaram da categoria “Tecnologia Livre”. Ao longo do processo, tiveram que criar uma startup baseada em tecnologia, desenvolvendo um protótipo e seu modelo de negócio. Orientados pela professora Cássia Fernandes, que ministra disciplinas de empreendedorismo nos cursos técnicos em Administração e Informática do Campus Ponte Nova, a equipe “BIMs”, formada por Mateus Guimarães, Matheus Rosa, Bruna Santos e Igor Assis, teve como desafio pensar e planejar soluções para problemas do dia a dia das cidades e da sociedade.

A equipe apresentou, então, uma tecnologia para auxiliar na locomoção de deficientes visuais, que foi desenvolvida inspirada por um colega. “Nossa motivação para a ‘Tornozeleira sensorial’ foi o Luiz Antônio, aluno do primeiro ano do curso Técnico em Administração, que é deficiente visual. A história de vida dele é de muita luta e quando ele testou nossa tornozeleira ficamos emocionados”, conta o estudante Igor Assis. Como prêmio, o grupo ganhou uma sessão online de mentoria com profissionais do Google.

De acordo com a professora Cássia, outros alunos do IFMG também se destacaram. Na categoria “App Inventor”, para grupos que desejam aprender a desenvolver um aplicativo, a equipe “Brand Booster”, formada pelos estudantes Aline Brittes, Ana Flávia Mayrink, Thayná Teixeira, Bárbara Gomes e Pablo Augusto, desenvolveu um projeto de marketing digital e chegou à final, figurando entre os sete projetos de destaque de Minas e da região Sudeste. Ainda nessa categoria, outras duas equipes, “DecorAqui” e “Doces Versos”, também representaram o IFMG e alcançaram a semifinal da competição online.

Para a docente, o resultado final, divulgado neste mês, foi muito bem recebido e comemorado, já que o trabalho na área de empreendedorismo não é novo no campus. “As etapas estavam sendo trabalhadas ao longo do ano letivo. Quando tivemos conhecimento do Startup in School, resolvemos aproveitar a oportunidade para aprender mais e não imaginávamos chegar tão longe”.

“Agora queremos continuar desenvolvendo nossa ideia com a mentoria do Google e disponibilizar para o Luiz Antônio e tantos outros deficientes visuais do Brasil uma solução com custo baixo e que promova a autonomia, a acessibilidade e a inclusão”, revelou Igor.

Divulgação/IFMG