Homem é conduzido após morte de PM por apologia ao crime em comentário no facebook, veja vídeo

0
1974

Bruno Rodrigues, de 25 anos, foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil na tarde desta segunda-feira (30/09) após realizar um comentário na rede social que, segundo a PM, configura-se apologia ao crime e vilipêndio a cadáver. Na postagem da notícia publicada pela emissora Super Canal “Luto: Sargento da PM morto em confronto com bandidos em João Monlevade”, Bruno escreveu “tem que fazer isso mesmo pois a maioria da PM fica perseguindo trabalhador, menos um”.

Um internauta chegou a retrucar, escrevendo “Cara, só um alerta, você tem família. Repense suas palavras”. Bruno respondeu “tenho sim, mas é muito triste ver polícia perseguindo trabalhador, enquanto os bandidos estão tranquilos (aí quando vejo um caso desse fico feliz sim, pois menos um que vai perseguir nós trabalhadores”.


Em entrevista ao Super Canal, Tenente Fábio, falou sobre a prisão do indivíduo após o comentário: “este indivíduo fez comentários na rede social (facebook) e mesmo após ter sido advertido pelos próprios amigos sobre a sua conduta, ele se manteve na ação de criticar, menosprezar um cidadão pai de família, no cumprimento de seu dever e que veio a falecer”.

A PM seguiu com o boletim de ocorrência e encaminhou o caso para a Polícia Civil de Caratinga. Ainda segundo Tenente Fábio estará em análise o cometimento de dois crimes: apologia ao crime e vilipêndio a cadáver. “Todo aquele cidadão que tiver a mesma conduta, que utilizar pseudo-anonimato das redes sociais para denegrir a imagem da instituição ou de nossos integrantes receberá os fervores da lei”.

Ainda conforme a PM, na primeira abordagem ao cidadão ele informou que o telefone teria sido hackeado e, posteriormente, confessou ser o autor do comentário e informou que “não era obrigado a gostar de polícia”. Tenente Fábio ressaltou em entrevista que “ninguém é obrigado a gostar, mas tem o dever de respeitar”, concluiu.

Bruno foi procurado pela nossa equipe de jornalismo para apresentar a sua versão para o caso, mas preferiu não conceder entrevista.

Informações Super Canal