Conselho do DMAES aprova empréstimo de R$25 milhões para construção de ETE

0
312

Foto: Conselheiros do DMAES

No dia 13/05, o Conselho Deliberativo do DMAES (CONDEL) – em reunião ordinária – aprovou por unanimidade ação que busca empréstimo com a Caixa Econômica Federal a quantia de até R$25 milhões para construção de estação de tratamento de esgoto (ETE), seus interceptores e as estações elevatórias, com carência de até 24 meses. Com este valor, será construída ETE funcional que atenderá aos requisitos do Ministério Público, solucionará o problema de descarte do esgoto in natura no rio e gerará receita própria para sua quitação, não sobrecarregando as contas públicas do DMAES.


O CONDEL é um conselho formado por representante da sociedade civil organizada. Ele é responsável por deliberar ações importantes e definitivas para o DMAES. Na foto, temos os membros: Fernando Andrade – presidente do conselho; Renato França – Associação Comercial e Industrial de Ponte Nova como suplente; Mariano Gomes Netto – CRM Ponte Nova; Carlos Alberto Montanha – Câmara Municipal de Ponte Nova; Anderson Nacif – diretor geral do DMAES; Nelson José Gomes Barbosa – Sindicato dos Engenheiros; Bruno de Oliveira do Carmo – Município de Ponte Nova; Raimunda da Conceição Gomes (Fiota) – Câmara Municipal de Ponte Nova como suplente; Francisco Rodrigues da Cunha Neto – OAB Ponte Nova.

Inúmeros benefícios

A construção da ETE trará inúmeros benefícios para a cidade, que vão do econômico ao ambiental. Atualmente, o DMAES paga a Agência Nacional das Águas o valor de R$630 mil ao ano como tarifa de regulamentação por uso de recursos naturais da união. Após a construção da ETE este valor cairá para cerca de R$300 mil. Sem contar no certificado Créditos de Carbono, que colocará Ponte Nova como cidade com pouca emissão de gases do efeito estufa.

O local previsto para a construção é a Fazenda Gravatá, afastada do perímetro urbano e de qualquer outra parte com moradias. O prazo contratual para sua construção é de 18 meses.

Planeja-se tratar pelo menos 75% de todo esgoto do município com estas obras. Pendendo apenas distritos afastados, que terão projetos paralelos para o tratamento do esgoto. Será uma grande quantidade de dejetos fora do nosso rio Piranga, o que fará grande bem para a natureza e população.

A decisão ainda depende da aprovação da câmara dos vereadores, por isso o prazo para início das obras é indeterminado.