Prefeitos da AMAPI apoiam unificação das eleições e ficam mais dois anos no mandato

0
525

Na tarde de quinta-feira (2), na sede da AMAPI, aconteceu mais uma Assembleia Geral dos Prefeitos. Na pauta, a proposta que pretende unificar as eleições, a partir de 2022. Proposta de Emenda à Constituição/PEC foi apresentada em 2012, pelo então senador Romero Jucá (PMDB-RR). De acordo com a proposição, a partir de 2022 os eleitores poderão votar no mesmo dia para os cargos no Executivo (prefeito, governador, presidente da República) e no Legislativo (vereadores, senadores, deputados estaduais e federais). Hoje, são realizadas eleições a cada dois anos, alternando-se eleições municipais com eleições para cargos estaduais e federais. A reunião foi aberta pelo secretário executivo da Associação, José Adalberto de Rezende, que representou legalmente o presidente, Duarte Júnior/Prefeito de Mariana.

Pela maioria, ficou decidido pelo apoio à PEC, sob a principal justificativa da economia que esta unificação irá gerar aos cofres públicos. “A unificação das eleições é um grande passo para a reforma política e, posterior, prorrogação dos mandatos, com fim da reeleição”, opinaram os prefeitos. Entre eles, estava Adriano Alvarenga, prefeito de Rio Casca. “A nossa responsabilidade, enquanto gestores irão aumentar, assim como a seriedade com que conduzimos os nossos municípios, valorizando ainda mais o dinheiro público, com economia prevista de mais de R$ 1 bilhão de reais”, destacou o prefeito.


De acordo com o deputado federal, Rogério Peninha Mendonça, autor da PEC 49/2019, que pretende prorrogar os mandados dos atuais gestores, em todas as esferas, “haverá economia significativa de recursos públicos, na medida em que serão eliminados os gastos relativos aos processos eleitorais municipais realizados de forma isolada. O impacto positivo será experimentado em curto prazo, pois o pleito de 2020 já não mais ocorrerá. Os valores poderão ser utilizados em serviços essenciais à população, tais como ensino, saúde e segurança pública”. Concordam, os prefeitos José Delgado/Oratórios, Frederico Brum/Urucânia e José Roberto Guimarães/São José do Goiabal.

Ao final da reunião, após concordância da maioria dos prefeitos e representantes legais, ficou definido que a AMAPI enviará documento à Associação Mineira de Municípios/AMM e Confederação Nacional dos Municípios/CNM, em apoio à PEC 71/2012. “A economia financeira será de grande ajuda aos municípios mineiros”, declarou José Adalberto de Rezende.

Clarissa Guimarães, Assessora de Comunicação da AMAPI