Condenado por estupro de filha em Ponte Nova é preso em Guarapari por policias de Ponte Nova

0
4320

Aproveitando o feriado prolongado nas praias de Guarapari/ES, os policiais Milton de Paulo, civil, e Tenente PM Emerson, em 19/04, deram voz de prisão a RFG, 35 anos, que em 20/12/2014 foi acusado de estuprar sua filha menor de 13 anos, na cidade de Ampara do Serra, onde R residia.

Na época ele foi preso, julgado e condenado há 15 anos, 11 meses e 20 dias, R recorreu da sentença em liberdade à 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais.


Em 20 de novembro de 2018, o Desembargador Jaubert Carneiro Jaques, Relator, decidiu reduzir a pena para 14 (quatorze) anos, 04 (quatro) meses e 24 (vinte e quatro) dias de reclusão, em regime fechado.

Na tarde de 19/04, por volta das 17 horas, os policias de Ponte Nova, Detetive Niltinho e Tenente Emerson, o avistaram vendendo milho verde em uma barraca, na Praia do Morro, Guarapari/ES, após confirmarem a ordem de prisão contra R, os dois acionaram a PM de Guarapari, que efetuaram a prisão de R. Ele era conhecido em Ponte Nova, por ser vendedor ambulante de queijo.

R deverá ser conduzido à Ponte Nova, onde cumprirá pena.

Veja sinopse da ocorrência de PM na época:

Em 20/12, compareceu na sede da 71ª Cia, a senhora J relatando que mora na cidade de Amparo do Serra (endereço citado), e na quinta-feira teve uma discussão com seu marido RF, chegando a vias de fato, e vem notando uma reação diferente dele com sua filha menos de 13, querendo que ela vai trabalhar com ele de qualquer jeito, e que vem sendo negado por ela. Em conversa com sua filha, por que não estava querendo mais trabalhar com seu pai, ela relatou que foi estuprada por ele quando tinha 10 anos de idade, e que vem sendo molestada por ele frequentemente. Segundo a criança, seu pai disse se ela contasse para a mãe quebraria todos os dentes de sua boca e a colocaria para fora de casa, juntamente com a mãe e os irmãos.

A senhora j na companhia de sua filha veio para casa de sua, onde resolveu fazer o registro de ocorrência para que fosse tomada providencias a respeito do fato.

Niltinho e Tenente Emerson ao fundo(sem camisas), efetuando a prisão