HNSD começa a sair da crise com administração caseira, indicada pelo MP

0
1677

O Hospital Nossa Senhora das Dores (HNSD), de Ponte Nova, está passando por uma série de medidas administrativas saneadoras, como revisão de contratos, renegociação de dívidas, corte de gratificações, readequação do quadro de pessoal, além de mudanças essenciais para a manutenção do plantão do Pronto Atendimento, a fim de assegurar o atendimento à população pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

As medidas são resultado da intervenção administrativa consensual pactuada no Termo de Ajustamento de Cooperação firmado, em outubro do ano passado, pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) – por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde de Ponte Nova e do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde (CAO-Saúde) – e a Irmandade Nossa Senhora das Dores, mantenedora do hospital.


Com o objetivo de acompanhar a situação econômica do hospital, foi nomeada uma comissão interventiva, visando, principalmente, a uma ação sistêmica de recuperação da entidade e preservação dos relevantes serviços prestados na área da saúde. A comissão é composta de representantes do Ministério da Saúde, Secretarias Estadual e Municipal de Saúde, Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de Minas Gerais (Cosems) e Consórcio Intermunicipal de Saúde da Microrregião de Saúde do Vale do Piranga (CIS-Amapi).

Segundo os promotores de Justiça Galba Cotta de Miranda Chaves e Sérgio de Castro Moreira dos Santos, a intervenção decorreu em razão da necessidade de implementação de estratégia de recuperação assistencial e financeira do HNSD. O hospital é estratégico para a região, alcançando o total de 53 municípios distribuídos em três regiões de saúde – Manhuaçu, Ponte Nova e Viçosa – com população global de cerca de 700 mil habitantes. Mesmo assim, havia o risco de fechamento de alguns de seus serviços.

A intervenção teve previsão inicial de 12 meses, podendo ser prorrogada, caso constatada a necessidade de se dar continuidade às ações estratégicas.

O MP de Ponte Nova, já havia feito está intervenção, colocando uma empresa de BH para tentar tirar o hospital da crise, mas não viu futuro, tomando a medida atual.

A nova direção geral do HNSD está sob o comando do empresário José Bueno de Magalhães, que está atuando como Assessor do Ministério Público. Zé Bueno como é conhecido, é atualmente presidente do Conselho Administrativo do Hospital Arnaldo Gavazza. Hospital que saiu sob sua administração, de crise igual em que o HNSD se encontra hoje.

A Direção Administrativa está a cargo de José Maurício Morais Castro, que também trabalhava como Diretor Adjunto do Hospital Gavazza.