Rotary plantará 15 mil árvores na bacia do rio Doce em S A do Grama

0
1011

Em 3 de novembro inicia-se o plantio de 15 mil mudas na microbacia do Córrego Cantagalo em Santo Antônio do Grama, cidade a 220 Km da capital mineira, como parte do Projeto Rotary de Revitalização do Rio Doce. Os Rotary Clubs de Belo Horizonte Liberdade, Rotary Club de Brasília Centenário e Rotary Club de Brasília International plantarão as árvores nos dias 3 e 4 de novembro junto com a comunidade local, crianças e adolescentes da escola municipal, além de voluntários da região que queiram participar do mutirão.

O plantio começará às 14 horas, em uma das propriedades da parte alta da microbacia, no dia 3 de novembro, sexta-feira, e continuará no sábado, dia 4 pela manhã, em outra propriedade de agricultores locais.


O mutirão dá sequência a ações que se iniciaram em fevereiro de 2016, com diversos parceiros, dentre eles o Centro de Estudos e Desenvolvimento Florestal do Instituto Estadual de Florestas (CEDEF-IEF), Sindicato de Produtores Rurais de Santo Antônio do Grama e Prefeitura Municipal de Santo Antônio do Grama, além de empresários locais.

O plantio das árvores complementa uma ação realizada em setembro chamada de Dia de Campo, no qual o CEDEF-IEF compartilhou informações com produtores rurais do baixo rio Casca sobre a produção de água em uma propriedade rural, combatendo e controlando erosões, focado em barragens secas e curvas de nível.

O objetivo de todas essas ações é melhorar a qualidade e aumentar a quantidade das águas do córrego Cantagalo, que deságua no Rio Casca, afluente do Rio Doce, como um projeto piloto que poderá ser visitado para conhecimento dos resultados, com acompanhamento do Sindicato de Produtores Rurais de Santo Antônio do Grama, sob a orientação de Edney Zinato. Inspirado em projetos como do Instituto Terra, do fotógrafo internacional Sebastião Salgado, e seguindo orientações técnicas da universidade União Pioneira de Integração Social (UPIS), sediada em Brasília, o Rotary se une aos pequenos produtores que vivem no córrego, para fazer a diferença.

O presidente do Rotary International Ian Riseley defendendo a preservação ambiental e o combate a ações que provocam mudanças climáticas como ações vitais à sustentabilidade de projetos humanitários, desafiou os Rotary Clubs a plantarem uma árvore para cada associado até o dia da Terra, em 22 de abril de 2018, o que totalizará mais de 1 milhão e 200 mil árvores.

A participação em atividades de capacitação (Dia de campo) e de voluntariado (plantio e outras ações) é aberta a todos os produtores rurais que vivem próximos a córregos que alimentam o Rio Casca, nos municípios do baixo Rio Casca, que são Santo Antônio do Grama, Urucânia, Jequeri, Piedade de Ponte Nova, São José do Goiabal, São Pedro dos Ferros e Rio Casca.

 

Sobre o projeto de revitalização do rio Doce

O projeto é uma iniciativa do Rotary, junto com moradores da região do baixo rio Casca, que surgiu em fevereiro de 2016, logo após o “desastre de Mariana” (novembro de 2015). Dessa iniciativa resultou o I Seminário do Projeto Cantagalo, realizado pelo CEDEF-IEF, a partir do qual foi criado um Termo de Cooperação entre o IEF e o Rotary Club de Brasília International, com diversas ações previstas, entre elas atividades variadas de capacitação, doação de mudas da Mata Atlântica, assistência técnica e projetos.

O projeto nasceu no Córrego Cantagalo, município de Santo Antônio do Grama – MG. Seu principal objetivo é estimular ações anuais nos afluentes do rio Doce, que motivem as comunidades de cada córrego a trabalhar para o aumento da quantidade e a melhoria da qualidade das águas, para atingir os objetivos de desenvolvimento comunitário e econômico na região, entre 2016 e 2030, conforme acordado entre os países e recomendado pelas Nações Unidas.

Trata-se de um projeto piloto que poderá ser replicado em qualquer outra microbacia dos afluentes do Rio Doce, ou seja, guardadas as especificidades de cada comunidade e cada região geográfica, a metodologia desenvolvida pelos Rotary Clubs envolvidos neste projeto poderá ser utilizada em outras partes da bacia hidrográfica do Rio Doce, para ampliar a ação e garantir a revitalização de toda a bacia hidrográfica.

Hoje, participam deste projeto os Rotary Clubs de Brasília-International, de Brasília-5 de Dezembro, de Brasília Centenário e de Belo Horizonte-Liberdade.

Sobre a bacia do Rio Casca

O rio Casca é um curso de água que banha a Zona da Mata do estado de Minas Gerais, Brasil. Apresenta 162 km de extensão e drena uma área de 2.475 km² (IBGE). É um afluente da margem direita do rio Doce. O rio Casca nasce na Serra da Mantiqueira, no município de Ervália a uma altitude de aproximadamente 1.400 metros, em região do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro.

Banha as terras de Araponga, São Miguel do Anta, Canaã, Pedra do Anta, na parte alta da bacia hidrográfica. Seus principais afluentes são Ribeirão Santo Antônio do Grama, Ribeirão Turvão e Ribeirão das Bandeiras.

Sobre o Rotary

O Rotary é O Rotary é uma rede global de líderes comunitários, amigos e vizinhos que se unem para causar mudanças positivas e duradouras em suas cidades e pelo mundo. Dedicam-se a colaborar com a solução de alguns dos maiores desafios da humanidade, como a prevenção de doenças (por exemplo a paralisia infantil), a educação, a proteção das águas, o desenvolvimento comunitário e econômico e a construção da paz mundial. O Rotary conecta mais de 1,2 milhão de voluntários organizados em mais de 34 mil clubes em 200 países e regiões geográficas do mundo. No Brasil, mais de 2 mil clubes realizam um trabalho que gera impacto positivo, tanto no nível internacional quanto local. O lema deste ano rotário (jul 2017 a jun de 2018) é O Rotary Faz a Diferença. Para mais informações, visite o www.rotary.org.