Garota de 17 anos é acusada de matar a enteada de 1 ano

0
2912

Uma adolescente de 17 anos é acusada de matar a enteada de apenas 1 ano e cinco meses durante a tarde desta terça-feira (18 de julho), no bairro Coqueiro, em Manhuaçu. Relatos de vizinhos dão conta de que a menina sofria maus tratos. A suspeita é que ela asfixiou a criança. A Polícia Militar foi chamada pelo conselheiro tutelar Jerônimo Rosa até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na tarde de ontem depois que a criança chegou ao local já sem vida, por volta de 14h45.

O médico pediatra relatou aos militares que a menina já estaria morta há cerca de quatro horas. Havia secreções na boca e no nariz e ferimentos. A suspeita é que ela foi asfixiada. A mãe da menina está presa. A madrasta vive com o pai dela, que é pedreiro e saiu para trabalhar ainda de madrugada. A jovem contou uma história cheia de contradições, como a troca de roupas da criança antes de leva-la para a UPA e os horários. Afirmou que a menina estava bem, deu almoço e colocou para dormir. Às 13 horas, quando foi acordar a criança, percebeu que estava com as secreções pela boca e nariz e não “acordava”.


Ao invés de pedir ajuda, ela foi à pé com a criança no colo do bairro Coqueiro até a UPA. Vizinhos relataram aos policiais que constantemente ouviam a criança chorar, inclusive na manhã desta terça. Segundo os conselheiros tutelares Jerônimo e Mayara, a criança, na semana passada, teria se queimado com água quente e suspeitavam de maus tratos. A criança, o pai e a madrasta tinham sido assistidos até a UPA pela PM para atendimento medico.

A madrasta alegou no dia que estava com uma caneca de água quente nas mãos e que, ao virar, a criança estava atrás dela e veio a derramar um pouco nos pés da menina. O pai só soube do óbito da filha no final da tarde. Segundo ele, vizinhos haviam lhe falado para ele olhar melhor a criança, pois ela chorava constantemente e, às vezes, parecia choro sufocado, mas que nunca desconfiou que a sua companheira cometia maus tratos e nem percebeu algum tipo de lesão ou hematomas.

Os conselheiros tutelares acompanharam o registro da ocorrência. A madrasta e o pai da menina foram encaminhados para a delegacia de Polícia Civil. Nas redes sociais, o conselheiro que atendeu a ocorrência, Jerônimo Rosa destacou o choque e tristeza com o fato e explicou que “houve o atendimento da criança na terça-feira, dia 11, e na quinta foram aplicadas medidas pertinentes ao pai, mas não deu tempo, infelizmente a sua companheira acabou por matar a criança pelo motivo que cabe agora à Polícia Civil esclarecer”. A adolescente foi autuada por homicídio e será apresentada ao promotor e ao juiz para as providências. Informações: Portal Caparaó